Monday, July 14, 2014

Interview with Klaus Schulze

Paris, 1973 © kdm archives

1968/69, playing drums with Psy Free
© kdm archives
Klaus Schulze was born in Berlin, Germany on August 4th, 1947. He learnt guitar in his childhood and then moved to the drums soon after that. As a drummer, Klaus Schulze formed Psy Free, a trio consisting of organ, guitar and drums, that played in venues in Berlin. One of this venues was the now famous Zodiak Free Arts Lab, a club founded in 1969 by Boris Schaak, Hans-Joachim Roedelius and Conrad Schnitzler. At this time, Schnitzler was a member of the newly formed Tangerine Dream, with Edgar Froese on guitar. In one occasion their regular drummer was absent for a concert, so Klaus Schulze joined the band and remained as their drummer until the release of their first LP, "Electronic Meditation", on summer 1970. So, Klaus Schulze and Conrad Schnitzler left the band soon after that - Schnitzler formed Kluster with Hans-Joachim Roedelius and Dieter Moebius, and Klaus Schulze joined Ash Ra Tempel, a band formed by guitarrist Manuel Göttsching and bassist Hartmut Enke (the three members of Ash Ra Tempel had played in some occasions as "Eruption", with Conrad Schnitzler and others). With Ash Ra Tempel, Mr. Schulze recorded their first album, "Ash Ra Tempel" (1971), and soon left the band, in his search to find his own and unique sound.

1973 © Max Jacoby
In 1972, Klaus Schulze recorded what would be the first title of his extent and magic discography, "Irrlicht", using an electric organ and tape manipulations of a recorded classical orchestra, with some filters and effects, to achieve a marvelous and unique sound. "Irrlicht" is a little different from Schulze's style in his next solo albums, being more connected to the musique concrète and tape music than to the "electronic music". To his second album, "Cyborg" (1973), he used an EMS synthesizer, what helped him to go further into a more "space" sound. From his third album - "Blackdance" (1974) - on, Klaus Schulze added more and more synthesizer, electronic keyboards and effects to his music. At this point, he was already one of the main names of electronic music, not only in Germany but all over the Europe! In 1976, a Moog Modular System was purchased by Klaus Schulze and its sequenced sounds became a kind of trademark on his music for some time (even, as he explains in the following interview, that the equipments are not the most important aspect of his music, one must agree that the Moog equipments - and other analog synthesizers available at that time - were an important subject during his search for a specific sound, as we can check throughout his discography, concert recordings and concert photos and footage from that time. Of course it was the only equipment available at that time - digital technology only arrived in late '70s - but Klaus Schulze made one of the best usages of the analog synthesizer, creating atemporal and "unearthly" sounds.)

Klaus Schulze's discography is huge, counting with his solo albums (all of them released on CD, sometimes with bonus tracks), box sets, concert DVDs, bands in which he played (like Tangerine Dream and Ash Ra Tempel, mentioned before, and Stomu Yamashta's Go), albums released as Richard Wahnfried (Mr. Schulze's pseudonym for his side project, from 1979 on), and albums he recorded and produced with Australian singer Lisa Gerrard, from Dead Can Dance. You can check his full discography on his website: www.klaus-schulze.com

Mr. Mueller & Mr. Schulze, November 2008
© kdm archives
I sent the questions for this interview via email, and the answers came soon after that - what explains that he already answered my second question in the first question, for instance. And this interview wouldn't be possible without the help from Mr. Klaus D. Mueller, a long time friend of Klaus Schulze and the music publisher of most of Mr. Schulze's works (Mr. Mueller is also the producer of some of Klaus Schulze's albums, like the multi CD sets released in the '90s, "Editions", and their recent re-release as "La Vie Electronique"). Klaus D. Mueller was very kind in replying my emails before and after the interview, and provided me that nice photo of himself and Klaus Schulze in 2008, shown here on the right. I am very grateful to Mr. Mueller and Mr. Schulze! Thank you! And here's the interview with Mr. Klaus Schulze!

Brussels, 1976 © Klaus D. Mueller
ASTRONAUTA - How did you discover music in your life and what were your first musical influences, in your childhood and teenage days?

KLAUS SCHULZE - As a kid I had some guitar training at school and played guitar for about six years, also I fooled around with the electric guitar in the sixties, playing music of 'The Shadows' or 'The Spotnicks'. My interest in the pop music of the day was not so much the 'songs' or the singers or Rock'n'Roll, but it was the SOUND. The new, unusual, exotic sounds that some of the popular bands or musicians tried out. This was my interest.

1973 © Marcel Fugère 
Then I started with drums because my brother was a drummer with a jazz band, so I thought that drumming would be more pleasant than playing guitar. In the mid sixties I was drumming in the free rock trio PSY FREE. "Psy Free" was a trio consisting of guitar, organ and drums. I was the drummer. We did what the name suggests: psychedelic, free music. Not "free jazz" - which was in common at this time, but our music was more rock orientated noise. We played only in Berlin clubs.

Then, as the huge and accurate discography THE WORKS states quite correctly: Late '68/early '69, first gig of KS with TD at Berlin club Magic Cave for absent regular drummer SvenAke Johansson. From then on I was a member of TD, until summer 1970.

Also, at this early time I used some kind of "electronics": I fumbled around with the inside of an old cheap electric organ and a Fender guitar amp, without knowing what I am doing, bit the exotic sounds that came out sometimes, because of this, they were interesting (to me). When I had read some days ago in your website the interview with Ron Geesin, I was surprised, that we both - independently - were doing the about same thing at this time. Geesin: "I used: speedchanging on tape; fine editing; backwards playing; feedback; noises from radio; just about anything that I could wire up." Exactly. After these experiments, sometimes an instrument was beyond repair.

Tangerine Dream, 1970: Schulze, Froese & Schnitzler
I left Tangerine Dream because Edgar didn't like my experiments with organ and backwards tapes (he wanted a straight drummer for his Hendrix-like guitar playing. Soon after, Conny Schnitzler also left, because he also had 'crazy' ideas about music), ... and then I found two guys who had played blues rock as the "Steeplechase Bluesband" and had lost their drummer. With these two I formed ASH RA TEMPEL and I moved them far away from bluesrock, into "space rock". Still I was the drummer, but I also played my special lap guitar with an echo machine, for steady rhythm or for "cosmic" sounds. One day I said to myself "okay' it's all pretty and normal music, but if I want to do really something special, I should change instruments". I started with keyboards, it must be around the end of 1971.

ASTRONAUTA - You were the drummer of some bands (some very well known bands, by the way) before changing to tape manipulations and to the synthesizers and electronic keyboards, and before you became one of the biggest names in the electronic music field. How was this transition in your life and career?

KLAUS SCHULZE - This happened just as I told before.
I should mention, that at the time when I was playing with these groups they were not "very well known". A very different type of music was "well known" and popular at this time.

ASTRONAUTA - In the mid-70s you purchased a Moog Modular synthesizer that became a very characteristic instrument in your music. Can you tell us a little bit about the history of this specific instrument, your Moog Modular synthesizer? And how about other Moog Music Company instruments you had in your career?

1976 © Klaus D. Mueller
KLAUS SCHULZE - I cannot tell anything about "the history" of the Moog. Please understand that I use these instruments, but they are not a fetish to me. I like them when they work perfectly (what they did not always) and when I can use them in the way I want, and when they do finally exactly what I want from them. When better possibilities are at hand, then of course I use those. I can cite again Ron Geesin from his interview with you: "The IDEA is everything, and can be realised in many different ways. The changes in audio technology, mainly sampling and digital manipulation, have given a wider 'palette' from which to paint my sounds, but they don't choose the IDEA." I don't know this man, but he is absolutely right. It's me, the artist, the musician, who has the idea for the music and who plays this music. The instruments are just the tools. Musicians like me sometimes wonder why 'fans' adore these tools so much, especially in pop music, or, more especially: in "electronic music". No lover of sculptures, paintings, or literature would adore a hammer, a brush, or a typewriter.

ASTRONAUTA - What was your favorite synthesizer in the '70s? And, looking back, what is (or remained as) your favorite synthesizer from the '70s, nowadays?

Winsen, 1979 © Klaus D. Mueller
KLAUS SCHULZE - I always liked the instruments that had a special sound: the 'Minimoog' oscillators have this great deep and full tone; the 'Farfisa Syntorchester' had this 'female solo singing voice' in the higher register, at least the instrument that I owned; the Moog modular system had the wonderful sequencer; the 'Yamaha CS 80' had this and the 'EMS Synthi A' had that... I used every instrument for a certain & special part to create the sounds of my music that I needed and wanted. Also not unimportant were the effect tools and the method I made use of them: echo, repeat, flanger, phase shifter, etc. and not to forget: the recording and mixing technique: building 'rooms', left, right, back, front... (besides all the musical techniques of composing a piece of music, with intro, various parts, tension, breaks, chaos and beauty, rhythm and calmness, repetition, sounds, melodies, surprises, etc, etc, etc...)

ASTRONAUTA - In the late '70s and early '80s, how did the differences from analog technology to digital technology changed or how they affected your career and your music?

KLAUS SCHULZE - In 1979 I got the first music computer, the "G.D.S." and I tried out many things then, with the help of an American technician from the company, who showed me how to use it. It was - for me and for everybody - a complete different and NEW way of creating and storing sounds and music. The DIGITAL era was knocking at the door. The whole musical programme of the first 100% digitally played and recorded album, DIG IT was stored on digital disk. I didn't use traditional analogue synthesizers for it. For the release I 'invented' the slogan for the record label's advertising for my DIG IT album: "The era of analogue wheelchair electronics is over."

Derby, 1996 © kdm archives
ASTRONAUTA - What instruments from the seventies you still have in your studio, nowadays?

KLAUS SCHULZE - I still have and I still use sometimes the 'Minimoog' and the 'EMS Synthi A', but more often in concerts than in my studio. In the studio I work more or less - and for many many years now - with computer and its programmes.

ASTRONAUTA - Thank you, Mr. Schulze

KLAUS SCHULZE - I Thank you!

Tangerine Dream: Froese, Schulze, "Happy" Dieter
and "Hippie" Kraesze as announcer
© kdm archives
Linz, Austria, 1980 © kdm archives
Barcelona, Spain, 1996 © Dom F. Scab
Warsaw, September 2009, with Lisa Gerrard
© Piotr Sulkowski
1983 © kdm archives

www.klaus-schulze.com
Photos used by courtesy of Klaus D. Mueller/Klaus Schulze official website.

Entrevista com Klaus Schulze

Paris, 1973 © kdm archives
1968/69, como baterista do Psy Free
© kdm archives
O músico e compositor alemão Klaus Schulze nasceu em Berlim, no dia 4 de Agosto de 1947. Ele aprendeu a tocar guitarra na infância, mas logo em seguida decidiu tornar-se baterista. Já no novo instrumento, Klaus Schulze formou a banda Psy Free, um trio formado por orgão, guitarra e bateria, que tocava em alguns locais em Berlim. Um destes locais era o hoje em dia famoso Zodiak Free Arts Lab, clube fundado em 1969 por Boris Schaak, Hans-Joachim Roedelius e Conrad Schnitzler. Nesta época, Schnitlzer fazia parte do recém formado Tangerine Dream, que contava com Edgar Froese na guitarra. Em um dos shows da banda o baterista faltou e Klaus Schulze juntou-se a eles, permanecendo como baterista até o lançamento do primeiro LP do Tangerine Dream, "Electronic Meditation", lançado no verão de 1970. Logo na sequência, Klaus Schulze e Conrad Schnitzler deixaram a banda. Schnitzler formou o Kluster, com Hank-Joachim Roedelius e Dieter Moebius, e Klaus Schulze juntou-se ao Ash Ra Tempel, banda formada pelo guitarrista Manuel Göttsching e o baixista Hartmut Enke (os três membros do Ah Ra Tempel chegaram a tocar em certas ocasiões usando o nome de "Eruption", com Conrad Schnitzler e outros). Com o Ash Ra Tempel, Schulze gravou o primeiro álbum, "Ash Ra Tempel" (1971), e logo em seguida deixou a banda para poder dar continuidade à sua busca por uma sonoridade própria e única.

1973 © Max Jacoby
Em 1972, Klaus Schulze gravou o que seria o primeiro álbum de uma discografia extensa e mágica, "Irrlicht", utilizando um orgão eletrônico e manipulações de fitas, tendo como base a gravacão de uma orquestra clássica, devidamente tratada através de filtros e efeitos, finalmente chegando no som que buscava. "Irrlicht" é um pouco diferente do estilo dos discos seguintes lançados por Schulze, fazendo uma conexão maior com a musique concrète e a tape music do que com a "música eletrônica" propriamente dita. Para seu segundo disco, "Cyborg" (1973), ele utilizou um sintetizador EMS, o que ajudou a direcionar ainda mais sua música para um som "espacial". A partir do terceiro álbum - "Blackdance" (1974) -, Klaus Schulze adicionou mais e mais sintetizadores, teclados eletrônicos e efeitos na sua música. Neste ponto da carreira, ele já era um dos principais nomes da música eletrônica, não só na Alemanha mas por toda a Europa! Em 1976, um Moog Modular System foi adquirido por Schulze, e seus sons sequenciados tornaram-se uma espécie de marca registrada na sua música por algum tempo (apesar da explicação dele, nesta entrevista, que os equipamentos não são o aspecto mais importante da sua música, temos que concordar que os instrumentos da Moog - bem como outros sintetizadores analógicos disponíveis na época - foram um fator importante durante sua procura por um som específico, como bem podemos conferir na sua discografia, gravações de concertos, fotos e filmagens da época. Naturalmente, era o único equipamento disponível na época - a tecnologia digital só chegou no final dos anos 70 -, mas Klaus Schulze fez um dos melhores usos dos sintetizadores analógicos, criando uma música e uma sonoridade atemporais e "extra-terrestes".)

A discografia de Klaus Schulze é imensa, contando com discos solo (todos relançados em CD, alguns com bonus tracks), box sets, DVDs de concertos, bandas na qual ele participou (como o Tangerine Dream e o Ash Ra Tempel, mencionados anteriormente, e também o Go, projeto com o percussionista japonês Stomu Yamashta), discos lançados como Richard Wanhfried (pseudônimo de Schulze para um projeto paralelo, de 1979 em diante), e discos que ele gravou e produziu com a cantora australiana Lisa Gerrard, do Dead Can Dance. Você pode checar a discografia completa no website oficial: www.klaus-schulze.com

Mr. Mueller & Mr. Schulze, Berlim, Novembro de 2008
 © kdm archives
Eu enviei as questões para esta entrevista por email, e as respostas vieram rapidamente - o que explica o fato dele ter respondido minha segunda questão já na primeira pergunta, por exemplo. E esta entrevista não seria possível sem a ajuda do Sr. Klaus D. Mueller, um amigo de longa data do Klaus Schulze e responsável pela publicação da maior parte dos trabalhos do Sr. Schulze (Klaus D. Mueller é também o produtor de alguns dos lançamentos de álbuns do Klaus Schulze, como a coleção de CDs "Editions", lançada nos anos 90, e seu recente relançamento como "La Vie Electronique"). Klaus D. Mueller foi muito gentil, respondendo meus emails antes e depois da entrevista, e providenciou-me uma foto dele com o Klaus Schulze em 2008 - que pode ser vista aqui à direita -, além de permitir a utilização das fotos do site oficial. Sou muito grato aos Senhores Mueller e Schulze! Obrigado! E aqui está a entrevista com o Sr. Klaus Schulze!

Brussels, 1976 © Klaus D. Mueller

ASTRONAUTA - Como a música surgiu na sua vida e quais foram as suas primeiras influências artísticas, na infância e adolescência?

KLAUS SCHULZE - Quando eu era criança, tive algumas aulas de violão na escola. Toquei violão por seis anos, mais ou menos. Eu também brincava com a guitarra elétrica, tocando músicas das bandas 'The Shadows' ou 'The Spotnicks'. Meu interesse na música pop daquela época não era tanto nas "canções" ou nos cantores de Rock'n'Roll, e sim no SOM. Os novos, incomuns e exóticos sons que algumas das bandas ou músicos populares vinham buscando alcançar. Este era o meu interesse. 

1972 © Marcel Fugère
Então eu comecei a tocar bateria, porque meu irmão era baterista em uma banda de jazz, então eu pensei que tocar bateria seria mais legal do que tocar guitarra. Na metade dos anos 60, eu passei a tocar bateria com um trio de rock, PSY FREE. 'Psy Free' era um trio com guitarra, orgão e bateria. Eu era o baterista. Nós tocavamos o que o nome sugere: psicodelia, música livre. Não "free jazz" - o que era muito comum naquela época, mas nossa música era mais voltada para o rock, para o barulho. Nós tocavamos apenas em clubes na cidade de Berlim. 

Então, como a extensa e precisa discografia THE WORKS coloca, corretamente: final de 1968/início de 1969, primeira apresentação de Klaus Schulze com o Tangerine Dream no clube Magic Cave, em Berlim, na ausência do baterista habitual Sven-Ake Johansson. Daquele momento em diante, eu fui membro do Tangerine Dream, até o verão de 1970. 

Também naqueles primeiros tempos, eu utilizava alguns tipos de equipamentos "eletrônicos": eu modifiquei um velho e barato orgão elétrico e um amplificador de guitarras Fender, sem saber exatamente o que estava fazendo, mas os sons exóticos que eu conseguia com aquilo em certas ocasiões, justamente por causa disto, eram interessantes (para mim). Quando eu li no seu website a entrevista com o Ron Geesin, há alguns dias, me surpreendi que eu e Geesin - independentemente - estavamos fazendo as mesmas coisas, ao mesmo tempo, na mesma época. Geesin: "Eu utilizava: mudancas de velocidade na fita, edição precisa, tocava a fita ao contrário, usava ruídos de rádio e qualquer coisa que eu pudesse ligar." Exatamente. Depois destas experiências, muitas vezes algum dos equipamentos nem tinha mais conserto.  

Tangerine Dream, 1970: Schulze, Froese e Schnitzler
© kdm archives
Eu deixei o Tangerine Dream porque o Edgard não gostava das minhas experiências com orgão e com fitas executadas ao contrário (ele queria um baterista mais direto para companhar seu jeito de tocar guitarra baseado no Hendrix. Pouco depois, Conny Schnitzler também saiu da banda, justamente por ter idéias 'malucas' em relação à música)... E, então, eu conheci dois caras que tocavam blues rock sob o nome de "Steeplechase Bluesband". E eles haviam perdido seu baterista. Com este dois, eu formei o ASH RA TEMPEL, e então mudamos do blues rock para o "space rock". Eu ainda era o baterista, mas eu também tocava minha lap guitar especial ligada numa câmera de eco, para criar ritmos precisos ou mesmo para fazer sons "cósmicos". Um dia eu disse para mim mesmo "okay, a música que fazemos é bonita e normal mas se eu quiser fazer algo realmente especial, tenho que mudar de instrumento". Então eu passei a tocar teclados, isto deve ter acontecido por volta de 1971.

ASTRONAUTA - Você foi baterista de algumas bandas (algumas bandas bastante conhecidas, diga-se de passagem) antes de mudar para as manipulações de fita e para os sintetizadores e teclados eletrônicos, e antes de você se tornar um dos maiores e mais conhecidos nomes da música eletrônica. Como foi esta transição na sua carreira e vida pessoal?

KLAUS SCHULZE - Aconteceu como eu disse anteriormente. Eu devo mencionar que, na época que eu estava tocando com estas bandas, elas ainda não eram "bastante conhecidas". Um tipo de música bem diferente era "bastante conhecido" e popular naquela época.

ASTRONAUTA - Ne metade dos anos 70, você adquiriu um sintetizador Modular Moog, instrumento que passou a ter uma importância muito grande e se tornou uma característica marcante na sua sonoridade. Você poderia nos contar um pouco da história deste instrumento específico, o seu sintetizador Modular Moog? E quais os outros instrumentos da Moog você teve durante a sua carreira?

1976 © Klaus D. Mueller
KLAUS SCHULZE - Eu não tenho como falar nada sobre a "história" deste Moog. Por favor, entenda que eu utilizo estes equipamentos, mas eles não são um fetiche para mim. Eu gosto quando eles funcionam perfeitamente (o que não acontecia sempre) e quando eu posso utiliza-los da maneira que eu quero, e quando eles fazem exatamente o que eu quero deles. Quando possibilidades melhores estão à mão, naturalmente eu as utilizo. Eu posso citar novamente o Ron Geesin, na estrevista que você fez com ele: "a IDÉIA é tudo, e pode ser realizada de várias maneiras. As mudanças na tecnologia de áudio, principalmente as técnicas de sample e manipulação digital, dão uma 'paleta' maior para eu pintar com meus sons, mas isto não muda a IDÉIA." Eu não conheço este homem, mas ele está absolutamente certo. Sou eu, o artista, o músico, quem tem a idéia para a música, e que a executa. Os instrumentos são apenas ferramentas. Músicos como eu muitas vezes ficam admirados como os 'fãs' adoram tanto estas ferramentas, especialmente na música pop ou, mais especificamente, na "música eletrônica". Nenhum amante de esculturas, pinturas ou literatura adoraria um martelo, um pincel ou uma máquina de escrever.

ASTRONAUTA - Quais foram os seus sintetizadores preferidos nos anos 70? E, olhando em retrospecto, qual é (ou permaneceu sendo) o seu sintetizador dos anos 70, hoje em dia?

Winsen, 1979 © Klaus D. Mueller
KLAUS SCHULZE - Eu sempre gostei de instrumentos que tivessem alguma coisa especial: os osciladores do 'Minimoog' tem aquele som profundo e denso; o 'Farfisa Synthorchester', aquele som de 'voz feminina' nos registros agudos, pelo menos no instrumento que eu tenho; o Modular Moog System tinha um sequencer maravilhoso; o 'Yamaha CS 80' tinha isto, o 'EMS Synthi A' tinha aquilo... Eu utilizava cada intrumento para certa parte especial, para criar os sons que eu queria e precisava nas minhas músicas. Também tiveram importância os efeitos e os métodos que eu os utilizava: eco, repetição, flanger, phase shifter, etc. E não podemos esquecer as técnicas de gravação e mixagem: construíndo 'salas', esquerda, direita, para trás, para frente... (Isto tudo além de todas as técnicas musicais, de composição de uma peça musical, com introdução, várias partes, tensão, paradas, caos e beleza, ritmo e calmaria, repetição, sonoridades, melodias, surpresas, etc, etc, etc...)

ASTRONAUTA - No final dos anos 70 e início dos anos 80, como as diferenças da tecnologia analógica para a tecnologia digital afetaram ou mudaram a sua carreira?

KLAUS SCHULZE - Em 1979, eu adquiri meu primeiro computador musical, o "G. D. S.", e eu testei várias coisas na época, com a ajuda de um técnico norte-americano que a companhia enviou para me mostrar como funcionava. Era - para mim e para todo o mundo - uma maneira completamente diferente e NOVA de criar e gravar sons e música. A era DIGITAL estava batendo à porta. Toda a programação musical do primeiro disco 100% executado e gravado digitalmente, DIG IT, foi feita em disco digital. Eu não utilizei os tradicionais sintetizadores analógicos na ocasião. Para o lançamento, eu 'inventei' um slogan para os anúncios da gravadora, na divulgação do meu álbum DIG IT: "A era da cadeira de rodas eletrônca está acabada".

Derby, 1996 © kdm archives
ASTRONAUTA - Quais os instrumentos dos anos 70 você ainda tem e utiliza no seu estúdio, hoje em dia?

KLAUS SCHULZE - Eu ainda tenho e ainda utilizo o 'Minimoog' e o 'EMS Synthi A', porém muito mais em concertos do que no meu estúdio. No estúdio eu trabalho mais ou menos - como já faço há muitos anos - com computadores e programações.

ASTRONAUTA - Obrigado, Sr. Schulze!

KLAUS SCHULZE - Eu que agradeço você.

Tangerine Dream: Froese, Schulze, "Happy" Dieter
e "Hippie" Kraesze apresentando a banda
© kdm archives
Linz, Austria, 1980
© kdm archives
Barcelona, Espanha, 1991 © Dom F. Scab
Varsóvia, Setembro de 2009, com Lisa Gerrard
© Piotr Sulkowski
1983 © kdm archives

www.klaus-schulze.com
Todas as fotos utilizadas com permissão de Klaus D. Mueller/Klaus Schulze official website.

Monday, June 30, 2014

Interview with David Van Koevering


David Van Koevering was born in Grand Rapids (Michigan) on April 8th, 1940. Son of a master musician, David learnt to play a long list of instruments very soon in his life. His enthusiastic way to communicate with people and his knowledge and interest in the history of music and musical instruments led him to become a very popular music educator in the sixties. During a music educational program in New York in the late '60s, David Van Koevering had the opportunity to visit the R. A. Moog Studios in Trumansburg (NY) and soon after that he met Robert Moog, who had invented the Moog Synthesizer some years before and was in the beginning of the path to make the synthesizer that carried his last name to become the most popular electronic music instrument ever. And David was one of the persons who helped it to happen, when he decided to show the future of music to new generation, and became one of the most important Moog demonstrators and salesmen at that time. In the early seventies, David Van Koevering traveled throughout the United States, showing and selling the newly invented Mini Moog.

In the early seventies, R. A. Moog company was sold to Bill Waytena and had its name changed to Moog Music. David Van Koevering became the Vice President of the company. Some time later, Waytena sold Moog Music to Norlin, and David left the company. In the first half of the seventies, he formed Vako Synthesizers and, after buying the rights of the Optigan from toy manufacturer Mattel, he developed the Vako Orchestron, an instrument capable of reproducing the sounds of organs, strings, flute, choir, and other orchestra instruments. The Orchestron became very famous in the second half of the seventies by the hands of musicians like Patrick Moraz (Yes), Tony Carey (Rainbow), and the Kraftwerk members (the choirs and strings that we listen on their albums Radio-Activity and Trans-Europe Express were all played on a Vako Orchestron that the band purchased during their 1975 USA tour.) In the '90s, Van Koevering created another innovative instrument, the VanKoevering Interactive Piano, and a new association with his long time friend Bob Moog happened, as Bob being the designer of the analog parts of the VanKoevering Interactive Piano. A minister since the sixties, David Van Koevering is the President and Founder of Elsewhen Research, a non-profit corporation that provides scientific information to what the Bible claims. As a musicologist, David and his wife Becky present public performances, in which they explain the Science of Sound, the History of Music and show their collection of more than 250 rare and unusual musical instruments.

My contact with David Van Koevering was via email. I'm very grateful that he found some time to do this interview. A fact that David told me in the first contact for the interview was that he already had been in Brazil, as a missionary when he was 19, in 1960. Brasilia, the capital of Brazil, was just been built then!

Well, thank you so much for the interview, David Van Koevering!

www.davidvankoevering.com
ASTRONAUTA - David, what are your memories from your childhood and teenage days, and how music got into your life?

DAVID - As a boy of 12 I could play 27 musical instruments. My Father was a master musician and taught me at a young age. I had a natural talent, I guess I could have been called a child prodigy. At the age of 12 I was entered into competition and came in 2nd in the United States.

ASTRONAUTA - How did you meet Robert Moog for the first time?

On stage: David Van Koevering (2nd from left)
 and Robert Moog (seated).
DAVID - I was traveling and doing musical educational programs in the public schools. There is a picture of my educational presentation in Trevor Pinch's book "Analog Days". I saw an ad in the Music Educators Journal that had a photo of the R. A. Moog Studio in Trumansburg, NY which said "Come Visit Our Backroom". I was performing in the area and decided to visit. Bob Moog was in Europe so I did not meet him then. Awhile later I was performing at a school in Long Island, NY and the principal said "I want you to meet Bob Moog". He had come from Trumansburg, NY to meet me and see and hear my show. Bob and I talked about the last song on my show where I performed on a "Theremin". I had made it from and article that Bob had published in an electronics magazine. After meeting Bob that day he asked if I would like to join him and his family at Carnegie Hall in New York City. It was the first ever live performance of the "Moog Quartet" with Gershon Kingsley. During that concert something switched on in my spirit, I knew I needed to be involved! I had a huge audience and showing the future of music to the younger generation became my goal.

ASTRONAUTA - According to Robert Moog, before joining Moog Music you were already a very well known lecturer and a genius at entertaining people. And it's also known that you're one of the main responsible persons for the popularization of the Mini Moog in its early days. What are your memories about that time?

DAVID - I believe that was in reference to the fact that before I met Bob I also had been a minister and I brought that same enthusiasm into spreading the word on what I felt was the future of music. I was the first person to take the Mini Moog to the performer. I with a business partner Les Truby formed "Vako Synthesizers" (Vako formed from my last name VanKoevering). We were the first ever to order 25 Mini Moogs. As these orders were filled by R. A. Moog I took them to performing musicians and let them play them. I also opened the first night club with the Mini Moog and performed live with it on stage. We named it the "Island Of Electronicus". It was a big hit with the young generation. We had bean bag pillows on the floor and played all the hits of that time from the Beatles to Switched On Bach. The audience were also invited to play along. After making the first sales in the state of Florida I decided I needed to take the Mini Moog to the whole United States. We closed the Island Of Electronicus and I went on the road selling rock & roll music dealers all across the US. One memory I have of those early days was that one Summer while our children were out of school my wife Becky, our daughter Debbie, our son Joe and our poodle FiFi traveled the whole United States in our car setting up dealers.

ASTRONAUTA - In the middle of the seventies you designed the Vako Orchestron, which became a very popular instrument mainly by the hands of Kraftwerk members and Patrick Moraz (Yes). How did you have the idea for the Vako Orchestron? Do you still have a Vako Orchestron?

DAVID - After the R. A. Moog company was sold to Bill Waytena and became Moog Music I went on staff as Vice President and introduced the Mini Moog to 28 countries. After that Bill Waytena sold the company to Norlin and I found out the stock I had been promised in the company had been sold to Norlin. I left the Moog company and moved back to Florida. I realized there was a need for a polyphonic instrument that could play chords as well as make the sounds of a real violin, human voices, organs as well as other orchestra instruments. I contacted Mattel company who were building a toy like instrument for the home that could reproduce those sounds. I then went on to develop "Vako Orchestron" for the performing musician. The Orchestron recorded sound onto silver oxide onto a piece of negative film. Light showed thru the film into germanium arsenide thru photo cells. It became very popular and soon replaced the Mellotron which was built in Briton and was large and heavy and not very portable. The Orchestron became famous from rock groups like Kraftwerk, Patrick Moraz with Yes and Tangerine Dream as well as many others. The Orchestron was the first instrument towards the development of what we now known as the CD disc. The Orchestron is now in software form. I do still have an Orchestron.

ASTRONAUTA - And how about the VanKoevering Interactive Piano?

DAVID - In the early '90s I had a vision for an instrument that could reproduce 128 sounds, could have a built in recording studio, could write the musical notes and notations as you played it then from a printer hooked up to it print it and also put it on CD. It would never be obsolete because it did not have buttons. You interacted with it thru interactive chips and touch screen that could be automatically upgraded thru software advances downloaded thru the internet. It was named the VanKoevering Interactive Piano. It had software programs that would teach you to play the piano thru interactive games and teaching lessons. It was a 5 year $ 40 million dollar project. We sold 4,700 of the beautiful piano shaped instruments to over 125 dealers thru out the US. We had 136 employees with 5 offices thru out the US. Bill Gates made the statement that the VanKoevering Interactive Piano was the best application of Windows 2000 that there was. Bob Moog became our designer of the analog side of our company. Everything stopped for us when the towers went down on 9/11. Our major investors lost millions and could no longer subsidize us thru sale of stock.

www.davidvankoevering.com
ASTRONAUTA - How do you see the differences between the musical instruments market in the sixties and seventies and nowadays? What are the main changes (for good and for bad), in your opinion?

DAVID - As a musicologist I have found that with every new technology man has found a way to incorporate that technology into a musical instrument. Steam technology brought the steam calliope, vacuum tubes brought the Hammond Organ, Bob Moog used transistors and printed circuit boards. Reading film thru light brought the Orchestron. The computer age has fostered the VanKoevering Interactive Piano along with many other instruments. Musicians down thru the centuries have found ways of making music thru technology that was available to them.

ASTRONAUTA - What are your most recent projects? And plans for the future?

DAVID - My most recent projects are to do with healing of the body with sound, light and frequencies. Royal Rife in the '30s & '40s developed a beam ray machine of radio frequencies that when connected to his electron microscope produced a radio frequency into the body and demonstrated over 1000 cancer tumors cured that have been verified with doctors affidavits and patient testimonies. My VanKoeverin Interactive Piano that can play back the frequencies of a Steinway piano and 127 other instrument frequencies can certainly play back the Rife frequencies that turned cancer off is a greater potential and application of technology than building the world's most sofisticated digital musical instrument. My work with lasers and plasmas will connect healing frequencies for all major diseases. Just wait and see what will happen in the near future 12-18 months from now with cell phones and iPads.
This have been a very exciting trip. A look into the past as well as seeing the future. Wish you could have been there. Some of your readers have.

David VanKoevering - Visionary
www.davidvankoevering.com

David Van Koevering, Herb Deutsch and Robert Moog at NAMM 2000.



www.davidvankoevering.com

Entrevista com David Van Koevering


David Van Koevering nasceu na cidade de Grand Rapids (Michigan), no dia 8 de Abril de 1940. Filho de um músico profissional, David aprendeu a tocar uma longa lista de instrumentos musicais logo cedo, na sua infância. Sua maneira entusiasmada de comunicar-se com as pessoas, aliada ao seu conhecimento e interesse profundos sobre música e instrumentos musicais o levaram a tornar-se um educador musical muito popular nos anos 60. Durante uma palestra em um programa educacional na cidade de New York, no final dos anos 60, David Van Koevering teve a oportunidade de visitar os estúdios da R. A. Moog em Trumansburg (NY) e, logo em seguida, conheceu o Robert Moog, que havia inventado o Sintetizador Moog alguns anos antes e estava começando sua trajetória para colocar o sintetizador que carregava seu sobrenome como o instrumento musical eletrônico mais famoso de todos os tempos. E, de alguma forma, David ajudou isso a acontecer, quando decidiu que apresentaria o futuro da música para as novas gerações e tornou-se um dos mais importantes demonstradores e vendedores dos Sintetizadores Moog daquele período. No início dos anos 70, David Van Koevering viajou através dos Estados Unidos da América, demonstrando e vendendo o recém inventando Mini Moog.

A empresa R. A. Moog foi vendida para Bill Waytena no início da década de 70, e foi renomeada como Moog Music. David Van Koevering tornou-se o Vice Presidente da companhia. Algum tempo depois, Waytena vendeu a Moog Music para a Norlin e David pediu demissão. Na primeira metade dos anos 70, ele fundou a Vako Synthesizers e, depois de comprar os direitos do Optigan (que era fabricado pela empresa de brinquedos Mattel), desenvolveu o Orchestron, instrumento capaz de reproduzir sons de  cordas, corais, orgão, flauta e outros instrumentos de uma orquestra. O Orchestron tornou-se bastante famoso na segunda metade da década, pelas mãos de músicos como Patrick Moraz (Yes), Tony Carey (Rainbow) e pelos membros do Kraftwerk (os corais e cordas que ouvimos nos álbuns Radio-Activity e Trans-Europe Express foram todos executados em um Vako Orchestron que a banda adquiriu na tour americana de 1975.) Nos anos 90, Van Koevering criou outro instrumento inovador, o VanKoevering Interactive Piano, e uma nova associação com o amigo de longa data Robert Moog aconteceu, com Bob cuidando do design das partes analógicas do VanKoevering Interactive Piano. Pastor desde os anos 60 David Van Koevering é o presidente e fundador da Elsewhen Research, organização sem fins lucrativos dedicada à explicação científica do que está escrito na Bíblia. Como musicólogos, David e sua esposa Becky apresentam performances e palestras públicas, nas quais eles explicam a Ciência dos Sons, História da Música e demonstram sua coleção que conta com mais de 250 instrumentos musicais raros e incomuns.

Meu contato com David Van Koevering foi via email. Eu sou muito grato pelo fato dele ter encontrado algum tempo para responder à esta entrevista. Como um fato curioso, David me contou no primeiro contato para a entrevista que ele já esteve no Brasil, quando veio como missionário em 1960, aos 19 anos de idade. Brasilia, a capital do país, recém estava sendo construída na época!

Bom, muito obrigado pela entrevista, David Van Koevering!

www.davidvankoevering.com

ASTRONAUTA - David, quais são suas lembranças da sua infância e de como a música entrou na sua vida?

DAVID - Quando eu era criança, aos 12 anos de idade, eu já tocava 27 instrumentos musicais. Meu pai era músico profissional e me ensinou música desde muito cedo. Eu tinha um talento natural, era o que pode ser chamado de criança prodígio. Aos 12 anos de idade eu me inscrevi numa competição (musical) nacional, nos Estados Unidos, e fiquei em segundo lugar.

ASTRONAUTA - Como você conheceu o Robert Moog?

No palco: David Van Koevering (segundo à esquerda)
e Robert Moog (sentado, ao centro).
DAVID - Eu estava viajando e me apresentando em programas de educação musical, em escolas públicas. Existe uma foto de uma destas apresentações educacionais no livro "Analog Days", do Tevor Pinch. Eu ví um anúncio no Music Educators Journal, com uma foto do R. A. Moog Studio em Trumansburg (NY), que dizia "Venha visitar nossa sala". Eu estava me apresentando na região e decidi fazer uma visita. Bob Moog estava na Europa na ocasião, então eu não o encontrei naquela vez. Um tempo depois, eu estava me apresentando em uma escola em Long Island (NY) e o diretor me disse "Eu quero que você conheça o Bob Moog". Ele havia viajado de Trumansburg (NY) para me encontrar e assistir minha apresentação. Bob e eu conversamos sobre a última canção que eu havia tocado, na qual eu utilizava um Theremin. Eu tinha construido o Theremin seguindo um artigo que Bob havia publicado em uma revista eletrônica. Depois de ter conhecido o Bob naquele dia, ele me perguntou se eu gostaria de juntar-me e ele e à sua família, para irmos ao Carnegie Hall, em New York. Era a primeira apresentação ao vivo do "Moog Quartet", com Gershon Kingsley. Durante aquele concerto algo mudou dentro de mim, na minha alma. Eu soube que queria estar envolvido com aquilo! Eu tinha um grande público e apresentar o futuro da música para as novas gerações passou a ser o meu objetivo.

ASTRONAUTA - De acordo com Robert Moog, antes de se juntar à Moog Music você já era um palestrante bastante conhecido e um gênio na arte de cativar as pessoas. É também fato conhecido que você foi um dos responsáveis pela popularização do Mini Moog, nos seus primeiros anos de existência.  Quais são suas memórias a respeito disto?

DAVID - Eu acredito que tenha sido por conta do fato de que, antes de eu conhecer o Bob, eu era pastor. E eu senti pelo que eu via como o futuro da música o mesmo entusiasmo que eu sentia nos meus sermões. Eu fui a primeira pessoa e levar o Mini Moog até os artistas de palco. Juntamente com um sócio chamado Les Truby, eu fundei a "Vako Synthesizers" (sendo a palavra Vako formada pelas sílabas iniciais do meu sobrenome, VanKoevering). Nós fomos os primeiros a encomendar 25 Mini Moogs. Assim que os pedidos eram entregues pela R. A. Moog, eu levava os Mini Moogs para alguns músicos tocarem com eles. Eu também abri o primeiro night club com um Mini Moog, e tocava ao vivo com ele, no palco. Nós chamamos o club de "Island Of Electronicus". Era um tremendo sucesso entre a nova geração. Nós tínhamos grandes almofadas no chão, e tocávamos todos os sucessos daquela época, de Beatles a Switched On Bach. O público era convidado a se apresentar também. Depois das primeiras vendas no estado da Florida, eu decidi que eu precisava levar o Mini Moog por todo o território nacional (nos Estados Unidos). Nós fechamos o "Island Of Electronicus" e eu saí pela estrada, vendendo para as lojas de rock & roll nos Estados Unidos. Uma das memórias que eu tenho daqueles dias remotos é de um verão, durante as férias escolares das crianças, atravessei os Estados Unidos de carro, com minha esposa Becky, nossa filha Debbie, nosso filho Jon e nossa cachorrinha poodle FiFi, procurando por lojas e revendedores.

ASTRONAUTA - Na metade dos anos 70 você projetou e desenvolveu o Vako Orchestron, que acabou se tornando um instrumento bastante conhecido pelas mãos dos membros do Kraftwerk e de Patrick Moraz (Yes). Como você teve a idéia de fazer o Vako Orchestron? Você ainda tem um Vako Orchestron?

DAVID - Depois que Bill Waytena comprou a R. A. Moog e mudou a companhia para Moog Music, eu fui contratado como Vice Presidente e introduzi o Mini Moog em 28 países. Depois que Bill Waytena vendeu a empresa para a Norlin e eu descobri que o estoque que havia sido prometido para mim tinha ido junto na venda, eu deixei a empresa e me mudei de volta para a Florida. Eu percebi que havia a necessidade de um instrumento polifônico, que pudesse tocar acordes e também fosse capaz de reproduzir sons de violinos de verdade, vozes humanas, orgão e também outros instrumentos de uma orquestra. Eu contatei a empresa Mattel, que construia uma espécie de instrumento de brinquedo para uso doméstico, que podia reproduzir estes sons. Então eu fui lá e desenvolvi o "Vako Orchestron", para os músicos utilizarem ao vivo. O Orchestron registrava o som em óxido de prata, em uma peça de filme negativo. A luz passava pelo filme por arsenieto de germanium, através de foto-células. O instrumento se popularizou bastante e logo passou a substituir o Mellotron, que era construído na Inglaterra e era muito grande, pesado e difícil de ser transportado. O Orchestron ficou bastante famoso através de bandas como o Kraftwerk, o Patrick Moraz (do Yes), o Tangerine Dream e tantos outros. O Orchestron foi o primeiro instrumento que levou ao desenvolvimento do que hoje nós conhecemos como CD (Compact Disc). O Orchestron existe em forma de sofware hoje em dia. E sim, eu ainda tenho um Orchestron.

ASTRONAUTA - E o VanKoevering Interactive Piano, como surgiu?

DAVID - No início dos anos 90 eu tive uma visão, de um instrumento que pudesse reproduzir 128 sons, tivesse um estúdio de gravação embutido, pudesse escrever notas e notação musical enquanto fosse executado e tivesse uma impressora acoplada, para imprimir as partituras e também pudesse gravar isto em CD. Nunca ficaria obsoleto porque não teria botões. Você interagiria através do seu software, chips e uma tela sensível ao toque, que poderiam automaticamente ser atualizados pela internet, confome os softwares fossem avançando. Chamei de VanKoevering Interactive Piano. Tinha softwares que ensinavam você a tocar o piano, através de lições e jogos interativos. Foi um projeto de 5 anos e 40 milhões de dólares. Nós vendemos 4.700 deste lindo instrumento em forma de piano, através de 125 revendedores por todos os Estados Unidos. Tínhamos 136 empregados, em 5 escritórios nos Estados Unidos. Bill Gates fez um pronunciamento dizendo que o VanKoevering Interactive Piano era a melhor aplicação do Windows 2000 que havia. Bob Moog se tornou o designer da parte analógica da nossa companhia. Tudo acabou quando as Torres Gêmeas foram derrubadas, no dia 9 de Setembro. Nossos maiores investidores perderam milhões e não puderam mais subsidiar-nos na venda do estoque.

www.davidvankoevering.com
ASTRONAUTA - Como você vê as diferenças entre o mercado de instrumentos musicais nos anos 60 e 70, comparando com hoje em dia? Quais foram as maiores mudanças (para melhor e para pior) na sua opinião?

DAVID - Como musicólogo eu tenho visto que, conforme as novas tecnologias vão surgindo, o homem dá um jeito de incorpora-las nos instrumentos musicais. A tecnologia de controle de vapor trouxe o calliope, as válvulas trouxeram o Orgão Hammond, Bob Moog utilizou transistores e placas de circuito impresso. A leitura de filmes através da luz trouxe o Orchestron. A era dos computadores viabilizou a construção do VanKoevering Interactive Piano e tantos outros instrumentos. Através dos séculos, os músicos descobriram como fazer música com a tecnologia que estava à disposição deles.

ASTRONAUTA - Quais são seus projetos mais recentes? E planos para o futuro?

DAVID - Meus projetos mais recentes são relacionados com a cura do corpo através do som, da luz e das frequências. Nos anos 30 e 40, o inventor Royal Rife desenvolveu uma máquina que emitia frequências de rádio que, quando conectadas ao seu microscópio de eletrons, enviava uma frequência de rádio para o corpo. Isto demonstrou ter ajudado na cura de mais de mil tumores, confirmados por laudos médicos e testemunhos de pacientes. Meu VanKoevering Interactive Piano, que pode reproduzir as frequências de um piano Steinway e outros 127 instrumentos, certamente pode reproduzir as frequências que Rife utilizou para ajudar na cura do câncer. É um uso e uma aplicação da tecnologia maiores do que construir o instrumento musical digital mais sofisticado de todos. Meu trabalho com lasers e plasmas conectará estas frequências, que podem curar muitas doenças. Espere e veja o que acontecerá num futuro próximo, daqui 12 ou 18 meses a partir de agora, com telefones celulares e iPads. É uma viagem muito excitante. Uma visão do passado e também uma olhada no futuro. Eu gostaria que você estivesse lá. Alguns dos nossos leitores estiveram.

David VanKoevering - Visionário.
David Van Koevering, Herb Deutsch e Robert Moog na NAMM 2000.